“Eu estou no mesmo lugar que a pessoa mais longe de mim”

 

Texto e encenação: Alieksey Machinsky

Elenco: Joacir de Lima, Marco Techio, Otávio Stolff, Rafael Wolff e Renata Chemin.

Primeiro espetáculo da Cia CemCulpas, foi realizado em novembro a dezembro de 2011, em Curitiba, e maio de 2012, em São Paulo.

Quatro pessoas sem julgamento acordam no meio da eternidade e encontram uma nova companhia, Índigo, que como os outros, não entende de início onde está ou porque. As personalidades se mostram e os conflitos começam. O narcisismo humano se mostra quando, mesmo sem saberem quem são, pensam saber quem o outro é por isso creem-se capazes de julgar, sendo também julgados o tempo todo.

Classificação: 16 anos.

375757_101506029964246_1070610597_n

 

Anúncios

Membros da CemCulpas.

Alieksey Machinsky: encenador e dramaturgo de “Eu estou no mesmo lugar que a pessoa mais longe de mim” (2011/12) e “Petite Mort” (2012/13) da Cia CemCulpas. Ator formado pelo Espaço Cultural Pé no Palco, foi assistente de direção do Círculo de Encenação e Pesquisa Pé no Palco, com Alexandre Bonin. Compõe com a companhia através de processos experimentais de trabalho e pesquisas sobre linguagens e anti-linguagens artísticas. 321537_255312777851018_1427061250_n

Foto: arquivo pessoal.

Amanda Leal: atriz e produtora da CemCulpas desde 2012, é graduada em Produção Cênica pela UFPR. Foi aluna dos cursos livres do Espaço Cultural Pé no Palco, tendo atuado em 3 montagens da escola. Em 2012 trabalhou com o Grupo Delírio, do diretor Edson Bueno e com as diretoras Maíra Lour e Janaina Matter, da Súbita Companhia. Na CemCulpas, atuou no espetáculo “Petite Mort”. 537762_10150966721006410_718191409_11937248_693594772_n

Foto: Chico Nogueira.

Joacir de Lima: ator formado pelo Espaço Cultural Pé no Palco, dirigiu “Estudodois: All we need is plastic”, além de atuar em todas as montagens da CemCulpas. Pesquisador de técnicas variadas, estudou com profissionais de grande respaldo como Mauro Zanatta e Beto Bruel. 311721_305903569425319_896409736_n

Foto: Olívia D’Agnoluzzo.

  Luiza Azevedo: atriz formada pelo Cena Hum Academia de Artes Cênicas, e graduanda do curso de Bacharelado em Artes Cênicas pela Faculdade de Artes do Paraná. Trabalhou com o Grupo Delírio, e agora entra na CemCulpas para o espetáculo em processo “Beat Lullaby”. 558721_298752700201360_853398370_n

Foto: arquivo pessoal.

  Marco Techio: ator, bailarino e produtor da CemCulpas, formou-se pela ACPT de Cascavel. Com mais de 15 anos de carreira, viajou em turnês pelo país todo, com diversos espetáculos. Atuou em todos os trabalhos da companhia, além de ter sido diretor de movimento e assistente de direção em “Eu estou no mesmo lugar que a pessoa mais longe de mim” e “Petite Mort”. É responsável pela direção dos espetáculos infantis da companhia. 539281_377357669004158_785707766_n

Foto: Karla Keiko.

Mauro Marinelli: músico há mais de 30 anos em Curitiba, compõe algumas das trilhas musicais da CemCulpas, além de se apresentar ao vivo durante o espetáculo “Petite Mort”. É formado pelo Conservatório de Música Popular Brasileira. Desde 2012, tem se inserido como ator em montagens da companhia, como “Estudodois: all we need is plastic” e na peça ainda em processo “Beat Lullaby”. 408334_377358029004122_1202058448_n

Foto: Karla Keiko.

Otávio Stolff: ator de todos os espetáculos da Cemculpas, cursa Produção Cênica na UFPR. Realizou diversos trabalhos teatrais independentes em Curitiba. Trabalha como ator e idealizador há mais de cinco anos.

523036_432857653430267_192281827_n

Foto: Karla Keiko.

Rafael Wolff: ator, graduando em Tecnologia em Produção Cênica pela UFPR, iniciou-se nos palcos aos 8 anos de idade, tendo passado pelas seguintes escolas: Cena Hum Academia de Artes Cênicas e Espaço Cultural Pé no Palco. Atuou com o Grupo Delírio em 2012, mesmo ano em que entrou para a Cia CemCulpas, nos espetáculos “Eu estou no mesmo lugar que a pessoa mais longe de mim” e “Petite Mort”

542336_377358122337446_576060076_n

Foto: Karla Keiko.

Desde 2011, outros artistas passaram pela CemCulpas: a bailarina Giovanna França; Lígia Quirino, atriz; Fernanda Lara, atriz; Renata Chemin, atriz; Marcelo Azevedo, diretor e ator; Kadu Cardoso, ator e produtor; Fagner Soares, ator; Daniela Gomes, atriz.

Breve histórico de culpas.

539536_279781755470005_1839898402_n

A Cia CemCulpas teve origem no segundo semestre de 2011, em Curitiba (PR), a partir de um trabalho de pesquisa sobre linguagem teatral e dramaturgia autoral. Os membros da companhia são Alieksey Machinsky, encenador e dramaturgo, os atores criadores Amanda Leal, Joacir de Lima, Marco Techio, Otávio Stolff, Rafael Wolff e o músico Mauro Marinelli. Em 2011, a partir do desejo de profissionalizar-se e ter liberdade total de criação, o grupo reativa o espaço do antigo Teatro Odelair Rodrigues, atual sede da companhia e onde funciona o Toucher La Lune – Café e Teatro, que comporta diversos eventos culturais, como exibição de filmes, saraus, rodas de leitura, pocket shows, exposições, etc.

Baseando-se em técnicas desenvolvidas por grandes artistas-pesquisadores, como Jerzy Grotowski, Peter Brook, Bertold Brecht, Antonin Artaud, Zé Celso, Fátima Toledo, Anne Bogart, etc, a CemCulpas buscou um método original para a criação não apenas cênica, mas artística de forma geral. Tal método tem como princípio aliar a técnica e a teoria teatrais com estudos históricos e antropológicos acerca de cada tema trabalhado, além da busca referencial em outras áreas como música, literatura, dança e artes plásticas. A criação acontece a partir de processos colaborativos onde as funções existem sem hierarquias absolutas, propiciando maior liberdade de criação e diálogo.

Os meses iniciais de pesquisa, ainda no ano de 2011, inspiraram o espetáculo “Eu estou no mesmo lugar que a pessoa mais longe de mim”, apresentado em três temporadas em Curitiba e uma em São Paulo. Desde então, a companhia possui, em seu repertório, as peças “Estudoum: Tremens”; “Estudodois: All We Need is Plastic” e seu trabalho mais recente “Petite Mort”, além de espetáculos infantis como “Meu Pequeno Príncipe”; “Ari Areia”; “Era Uma Vez um Tirano” e “Conta Comigo”.

154481_509572169074654_1534843225_n

“Petite Mort”, 2012. Foto: Cla Ribeiro.